Não-Dito

2017

Vencedora do prêmio Funarte de Arte Contemporânea 2015, a exposição e plataforma de pesquisa artística Não-Dito esteve em Belém de janeiro a fevereiro de 2017. Atuei como mediador e assistente artístico levantando reflexões e debates acerca da crise de representação política em que vivemos. A mostra reúne obras criadas a partir de restos de campanhas eleitorais coletados em centros urbanos brasileiros.

As propostas educativas se davam por visitas agendadas de públicos escolares, de organizações não governamentais e universitários, nas quais fazíamos atividades referentes à temática da exposição de acordo com a faixa etária dos visitantes.

Aos sábados pela tarde se davam as atividades do grupo de leitura-discussão-experimentação da exposição, no qual se debatia sobre os mais variados temas, como uma leitura coletiva do texto Os Pés do Sol Pisaram a Floresta, de Davi Kopenawa Yanomami e sobre como os movimentos de matriz africana estão sendo perseguidos em Belém, sendo ativado por um cortejo  que iniciou em via pública e seguiu até a exposição, no qual os participantes carregaram seis estandartes produzidos pelo artista Arthur Leandro.

Não-Dito não é apenas uma exposição fotográfica, é um projeto que está em contínuo desenvolvimento. Assim, uma das propostas é promover intervenções nas cidades por onde o projeto passa. Em Belém, ajudei nas intervenções na cidade junto de Ana Lira, como a instalação de uma lona em uma praça pública da cidade e a pintura de escritos na rua.