Ô lugarzinho pra ter viado (2018)

Em exposição pelo IX Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, no Museu Histórico do Estado do Pará.

Comissão de seleção formada por Rosely Nakagawa, Walda Marques e Flavya Mutran.

Curadoria de  Mariano Klautau Filho.

Belém, 16.05 a 15.07 de 2018.

A prática do “banheirão” é realizada em banheiros de diversas instituições públicas e privadas. A partir deste ensaio, é possível refletir e discutir sobre questões sociais para além da prática sexual nos banheiros, como a cultura de ódio manifestada em discursos homofóbicos e a aversão aos gays afeminados.

As paredes dos banheiros falam. 

O trabalho mostra um tipo de comunicação e prática social que vêm sendo realizada há anos. A utilização do cyber espaço, assim como os escritos nas paredes, representam uma cultura, entendendo-se cultura como a produção humana. Trata-se, portanto, de uma expressão histórica, que demarca uma sociedade, um tempo.
____

Fotografia, 2018.